-

Aba 1

Postado em 15 de Março de 2019 às 11h28

Acesso ao banco de horas: o funcionário também deve ter?

O banco de horas é uma forma de compensar as horas excedentes trabalhadas pelo funcionário em um dia com a correspondente redução da jornada em outro. A própria Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) prevê a utilização do banco de horas por empregadores, desde que instituída mediante acordo ou convenção coletiva.
Mas o acesso ao banco de horas é um direito do funcionário? Como ele pode ter controle sobre sua jornada de trabalho?

As horas excedentes trabalhadas e que passam a compor o Banco de horas podem ser compensadas com a entrada mais tarde ao serviço ou saída mais cedo; também podem ser utilizadas para folgas durante a semana ou acréscimo de dias de férias. A forma como o empregado deseja utilizar seu banco de horas deve ser acordada com o empregador.

É importante lembrar ainda que o banco de horas passa a ter validade apenas quando excede a jornada de trabalho.

Outro ponto que deve ser destacado é que o Banco de horas tem validade de 1 ano, salvo previsão em acordo ou convenção coletiva.

Assim, o empregador deverá liquidar todas as horas de trabalho excedentes do seu funcionário dentro deste período. Do contrário, todas as horas excedentes trabalhadas e que compõe o banco de horas passam a ser computadas como horas extras e deverão ser pagas com o respectivo adicional.

Se o empregado for demitido antes de compensar suas horas excedentes de trabalho, então, o empregador deverá pagar o valor correspondente no momento da rescisão.
Uma das premissas para a utilização do banco de horas é que a empresa deve manter o controle individual do saldo das horas excedentes trabalhadas de cada um dos funcionários.

Além disso, é direito do trabalhador acompanhar e ter acesso ao banco de horas. Uma forma de manter transparente a relação de trabalho e de possibilitar que o colaborador tenha controle sobre sua jornada de trabalho.
Isso significa que o regime de compensação de horas só se torna válido se a empresa realiza diariamente a aferição da jornada de trabalho dos seus colaboradores.
Ao disponibilizar os registros de ponto ao empregado, o empregador evita uma série de problemas, principalmente ações judiciais.

Não é incomum que os empregados acionem a Justiça do Trabalho. Fazem isso, para solicitar a revisão dos registros de pontos e demais controles da jornada de trabalho. No entanto, muitas empresas não mantêm qualquer tipo de organização e guarda de tais documentos. E, tampouco realizam qualquer comprovação de compensação das folgas no banco de horas.

A melhor forma de garantir que os horários trabalhados estão dentro do limite de compensação é aderindo a um sistema de controle de ponto. Assim, todas as informações passam a compor uma única base de dados e o empreendedor passa a gerir melhor a jornada de trabalho de cada um de seus funcionários.
No próprio sistema de controle de ponto, o funcionário pode imprimir o comprovante de entrada e de saída. Tendo o controle de quantas horas excedentes registrou durante o mês.

Além disso, todo o sistema é integrado com os demais departamentos, como o Setor de RH e Financeiro, o que possibilita que as informações sejam processadas em tempo real e o acesso ao banco de horas esteja disponível aos colaboradores e gestores para conferência.

Fonte: Ponto Mais

Veja também

Readmissão em curto prazo é fraude10/08/18 Ministério do Trabalho considera fraudulenta rescisão seguida de recontratação De acordo com o Ministério do Trabalho, através da Portaria 384/92, quando se rescinde o contrato de trabalho, sem justa causa, de um empregado, este não pode ser recontratado ou permanecer prestando serviço na empresa sem registro na Carteira de Trabalho dentro dos 90 dias......
IMPOSTO DE RENDA 2020: FIQUE LIGADO25/02/20 Começa na próxima segunda-feira 02/03/2020 o prazo para declarar o Imposto de Renda 2020. Você poderá entregar a declaração até 30 de abril. É obrigado a declarar o IR quem recebeu um total de rendimentos tributáveis (salário, bônus na empresa etc) igual ou......
PRAZO PARA REGULARIZAÇÃO DO SIMPLES NACIONAL TERMINA EM 31 DE JANEIRO21/01/20 Os pequenos negócios que foram excluídos do Simples Nacional em 2019 têm até 31 de janeiro para regularizarem as pendências e fazerem uma nova adesão ao regime, desde que não haja débito com a Receita Federal ou a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. O......

Voltar para Notícias