-

Aba 1

Postado em 01 de Novembro de 2018 às 14h22

Nova Plataforma de Cobrança estabelece o registro para boletos a partir de R$ 0,01

A partir do último sábado (27/10), os boletos com valor maior ou igual a R$ 0,01 devem estar registrados na Nova Plataforma (NPC). Foi uma iniciativa da rede bancária para modernizar esse processo, com mais controle e segurança gerando confiabilidade aos usuários.

Essa é a última etapa da implementação do sistema. Na fase anterior, a rede bancária deixou de aceitar os boletos de valor igual ou acima de R$ 100 que não estivessem cadastrados na base do sistema. A última etapa da implementação englobará os boletos de pagamento de cartão de crédito e de doações, que deverão estar registrados na Nova Plataforma até 10 de novembro.

Uma das principais vantagens é de que, agora os boletos vencidos que estiverem registrados na Nova Plataforma de Cobrança poderão ser pagos em qualquer agência bancária ou canal de atendimento sem precisar emitir uma segunda via, desde que esteja dentro da data limite estabelecida pela empresa emissora. Com isso a duplicidade de pagamentos e fraudes será diminuída.

Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), se os boletos não estiverem cadastrados na base do novo sistema, os bancos irão recusá-los. Se isso acontecer, o pagador deve procurar o beneficiário, que é o emissor do boleto, para quitar o débito ou solicitar o cadastramento do título.

Veja também

Crime de apropriação indébita - A pena é de 2 (dois) a 5 (cinco) anos de reclusão e multa11/10/18 Descontos efetuados pelo empregador x Apropriação indébita Apropriação Indébita é o ato de recolher do contribuinte os valores devidos, sem que haja o repasse nos prazos legais ou convencionais aos órgãos competentes tais como: Previdência Social, Receita Federal e Associações Sindicais. Simplificando, é o fato de reter o......
PRAZO PARA REGULARIZAÇÃO DO SIMPLES NACIONAL TERMINA EM 31 DE JANEIRO21/01/20 Os pequenos negócios que foram excluídos do Simples Nacional em 2019 têm até 31 de janeiro para regularizarem as pendências e fazerem uma nova adesão ao regime, desde que não haja débito com a Receita Federal ou a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. O......

Voltar para Notícias